"As Janelas Douradas"

 

Olá

Muitas vezes andamos tão desfocados na nossa vida, tão inconscientes e descrentes no nosso próprio valor, tão cegos pelo medo, pela depressão e pelas contrariedades, que nos convencemos de que não merecemos a abundância e felicidade que observamos na vida dos outros e conformamo-nos com essa ideia, encolhendo-nos desgostosos e vítimas, no nosso canto, desistindo.

Esquecemo-nos que também nós somos preciosos, únicos, valiosos, capazes e merecedores e que todas essas qualidades nos são inerentes, fazem parte da nossa “casa” interna.

Deixamo-nos tomar pela inveja, achando que só os outros têm tudo, esquecendo-nos de olhar para dentro (in-veja) onde está o nosso valor e poder de realização.

Toda a gente tem problemas.

Acontece que uns, responsabilizam Deus e o mundo, sentindo-se desalentados e vítimas; outros escolhem olhar para os problemas como desafios e oportunidades de aprendizagem e crescimento e colocam, nesse percurso, o melhor de si mesmos… 

 

Hoje trago-te uma história para meditares…

“As Janelas Douradas”

“O menino trabalhava arduamente durante todo o dia, no campo, no estábulo e no armazém, pois os pais eram fazendeiros pobres e não podiam pagar a um ajudante.

Mas, quando o sol se punha, o pai deixava-lhe aquela hora só para ele. O menino subia ao alto de um morro e ficava a olhar para um outro morro, alguns quilómetros ao longe.

Nesse morro distante, via uma casa com janelas de ouro resplandecente e de diamantes. As janelas brilhavam e reluziam tanto que ele era obrigado a piscar os olhos.

Mas, pouco depois, ao que parecia, as pessoas da casa fechavam as janelas por fora, e então a casa ficava igual a qualquer casa comum de fazenda.

O menino achava que faziam isso por ser hora de jantar; então voltava para casa, jantava e ia deitar-se.

Um dia, o pai do menino chamou-o e disse-lhe:

— Tens sido um bom menino e ganhaste um dia livre. Tira esse dia para ti; mas lembra-te de que Deus o deu, e tenta usá-lo para aprenderes alguma coisa boa.

O menino agradeceu ao pai e beijou a mãe. Em seguida partiu, tomando a direcção da casa de janelas douradas.

Foi uma caminhada agradável. Os pés descalços deixavam marcas na poeira branca e, quando olhava para trás, parecia que as pegadas o seguiam, fazendo-lhe companhia.

A sombra também caminhava ao seu lado, dançando e correndo, tal como ele. Era muito divertido.

Passado um longo tempo, chegou ao morro verde e alto.

Quando subiu ao topo, lá estava a casa.

Mas parecia que haviam fechado as janelas, pois ele não viu nada de dourado. Aproximou-se e sentiu vontade de chorar, porque as janelas eram de vidro comum, iguais a qualquer outra, sem nada que fizesse lembrar o ouro.

Uma mulher chegou à porta e olhou carinhosamente para o menino, perguntando o que ele queria.

— Eu vi as janelas de ouro lá do nosso morro — disse ele — e vim de propósito para as ver de perto, mas agora elas são só de vidro!

A mulher meneou a cabeça e riu-se.

— Nós somos fazendeiros pobres — disse — e não poderíamos ter janelas de ouro. E o vidro é muito melhor para se ver através dele!

Convidou o menino a sentar-se no largo degrau de pedra e trouxe-lhe um copo de leite e uma fatia de bolo, dizendo-lhe que descansasse.

Chamou então a filha, que era da idade do menino; dirigiu aos dois um aceno afectuoso de cabeça e voltou aos seus afazeres.

A menina estava descalça como ele e usava um vestido de algodão castanho, mas os cabelos eram dourados como as janelas que ele tinha visto e os olhos eram azuis como o céu ao meio-dia.

Ela passeou com o menino pela fazenda e mostrou-lhe o seu bezerro preto com uma estrela branca na testa; ele falou do bezerro que tinha em casa,  e que era castanho-avermelhado com as quatro patas brancas.

Depois de terem comido juntos uma maçã, e se terem assim tornado amigos, ele fez-lhe perguntas sobre as janelas douradas.

A menina confirmou, dizendo que sabia tudo sobre elas, mas que ele se tinha enganado na casa.

— Vieste numa direcção completamente errada! — exclamou ela. — Vem comigo, vou-te mostrar a casa de janelas douradas, para ficares a saber onde fica.

Foram para um outeiro que se erguia atrás da casa, e, no caminho, a menina contou que as janelas de ouro só podiam ser vistas a uma certa hora, perto do pôr-do-sol.

— Eu sei, é isso mesmo! — confirmou o menino. 

No cimo do outeiro, a menina virou-se e apontou: lá longe, num morro distante, havia uma casa com janelas de ouro resplandecente e de diamantes, exactamente como ele tinha visto.

E quando olhou bem, o menino viu que era a sua própria casa!

Apressou-se então a dizer à menina que precisava de se ir embora. Deu-lhe a sua melhor pedrinha, a branca com uma lista vermelha, que trazia há um ano no bolso.

Ela deu-lhe três castanhas-da-índia: uma vermelha acetinada, outra pintada  e outra branca como leite.

Ele deu-lhe um beijo e prometeu voltar, mas não contou o que descobrira.

Desceu o morro, enquanto a menina ficava a vê-lo afastar–se, na luz do sol poente.

O caminho de volta era longo e já estava escuro quando chegou à casa dos pais.

Mas o lampião e a lareira luziam através das janelas, tornando-as quase tão brilhantes como as vira do outeiro.

Quando abriu a porta, a mãe veio beijá-lo e a irmãzinha correu a pendurar-se-lhe ao pescoço; sentado perto da lareira, o pai levantou os olhos e sorriu.

— Tiveste um bom dia? — perguntou a mãe.

— Sim! — o menino passara um dia óptimo. 

— E aprendeste alguma coisa? — perguntou o pai.

— Sim! — disse o menino.

— Aprendi que a nossa casa tem janelas de ouro e de diamantes.”

William J. Bennett

  E Tu? Vais continuar a acreditar, a achar, que só as janelas dos outros é que são douradas?

Ou vais, de uma vez por todas,

ABRIR AS TUAS PRÓPRIAS JANELAS?

SE OS OUTROS CONSEGUEM, TU TAMBÉM CONSEGUES!

kalatu-banner 728x90

Author: Isabel Negrao

Mãe de família, Artista plástica, Professora, Blogger, Terapeuta. Adoro o que faço . Foco: desenvolvimento pessoal, autoconsciência, vida plena e abundante. Meus pontos fortes: conteúdo, comunicação. Paixão: ajudar pessoas a resolver problemas. Segue-me ou torna-te meu amigo no Facebook. (Thank you for reading my posts! If you would like to connect, reach out to me on Facebook).

9 Replies to “"As Janelas Douradas"”

  1. Way cool! Some very valid points! I appreciate you penning this post and the rest of the site
    is really good.

  2. I’ll right away grab your rss feed as I can not find your e-mail subscription hyperlink or e-newsletter service.
    Do you have any? Please let me understand in order that I may just
    subscribe. Thanks.

  3. Asking questions are in fact nice thing if you are not understanding anything entirely,
    except this post presents pleasant understanding yet.

  4. I visited several websites but the audio feature for audio songs existing at
    this web page is in fact fabulous.

  5. Hi there! This article couldn’t be written much better!

    Going through this article reminds me of my previous roommate!
    He always kept talking about this. I’ll send this article to him.
    Fairly certain he’ll have a great read. Thanks for sharing!

  6. I’m impressed, I must say. Rarely do I encounter a blog that’s both equally educative and engaging, and without a doubt, you’ve hit the nail on the head.
    The issue is something too few men and women are speaking intelligently
    about. I’m very happy that I found this during my hunt for something concerning this.

Valorizamos os teus comentários

%d bloggers like this: